Sobre

Ana Moeller Design de Interiores

foto escritório design interiores joinvilleAna Moeller é designer por vocação, formação e paixão. Em 2003, ainda recém formada pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), decidiu colocar a mão na massa e montou seu escritório em Curitiba (PR). Durante um ano e meio trabalhou sozinha em projetos residenciais e comerciais, mas a natureza mais expansiva logo reclamou: “não suporto trabalhar sozinha, sem ter com quem falar. Falo até com as paredes se não tiver ninguém!”, exagera. Chamou uma amiga para ser sua sócia. E os trabalhos prosseguiram a todo vapor. No ano passado Ana mudou-se para Joinville e trouxe o escritório junto. Acaba de inaugurar uma nova fase em sua vida profissional, agora sem sócios, e continua fazendo, apaixonadamente, o que mais gosta: criar projetos inovadores e únicos.

Quando Ana abriu o escritório em Curitiba, batizado de Studio Interni, já estava prestes a se casar com um joinvilense e não demorou para começar a desenvolver alguns projetos na cidade catarinense, inicialmente apenas para amigos. A vida – e o trabalho – prosseguiu e Ana foi vendo o número de clientes joinvilenses aumentarem. Até que, no ano passado, quando se transferiu de mala e cuia para cá com o marido e os filhos pequenos, já contabilizava tantos clientes aqui quanto em Curitiba. O novo escritório ganhou seu nome – Ana Moeller Design de Interiores – e sua incrível energia. Ela conta que vai continuar a desenvolver, eventualmente, projetos na capital paranaense, mas seu foco, agora, está direcionado para Joinville. O escritório continua com sua marcenaria própria, marca registrada desde o início.

Estilo

A principal característica da designer é não se prender a um estilo pré-definido, o que lhe garante total liberdade para criar e rende projetos inovadores e únicos. “Coloco-me em todos os estilos. Apresento projetos diferentes para ambientes diferentes”, diz. Por esta razão gosta dos clientes que lhe dão autonomia para usar todo o seu potencial criativo. Aliás, se tem uma coisa que Ana não perdoa é falta de criatividade. “Não suporto falta de ideia, mesmice, projetos frios. Não consigo me prender a projetos comuns”, dispara.  Muitas vezes testa acabamentos inusitados. Já projetou e executou uma mesa revestida com Scrapbook, por exemplo. “Fiz questão de eu mesma ir até a marcenaria e colar papel por papel na mesa e o efeito foi incrível!”, revela. Tão incrível que esta mesa é uma das atrações em uma loja de Curitiba.

Para dar conta do recado ela lança mão de um método que tem se mostrado eficiente: o primeiro passo de qualquer um de seus projetos é uma pesquisa profunda dos hábitos e do modo de viver do cliente. “Tento conhecer bem o cliente, na medida do possível. Tento sempre enxergar como ele enxergaria”, fala. Isso tudo porque o cliente não pode se sentir um estranho em sua própria casa. “Quando projeto residências, prezo principalmente o conforto, tanto sensorial quanto visual e físico”, destaca. No caso de ambientes comerciais o processo é um pouco diferente, é preciso ter uma outra visão: comprometimento com a marca e o objetivo  para qual o espaço está sendo criado são suas principais referências. Mas, em todos os casos, conforto, funcionalidade e praticidade são primordiais. Aliás, Ana presta atenção especial ao aspecto funcional em todos os seus trabalhos. E destaca: “não suporto ver um espaço mal aproveitado, mal projetado”.

Fã de carteirinha do arquiteto paulista Sig Bergamin, um dos principais nomes da decoração dentro e fora do Brasil (ele mantém também um escritório em Nova York), Ana diz que se identifica muito com ele e gostaria, de um dia, ser definida da mesma forma que ele é: “(Sig) consegue dar harmonia ao exagero e ser moderno sem ser minimalista”. Enquanto busca se aproximar do ídolo, segue encarando seu maior desafio – o de fazer com que cada cliente possa viver em um ambiente que traduza seu estilo e que melhor satisfaça suas necessidades. Missão, até o momento, cumprida com louvor.

Os comentários estão encerrados.